Segundo a Organização Mundial da Saúde, a Demência “é um termo abrangente que descreve a perda de memória, capacidade intelectual, raciocínio, competências sociais e alterações das reações emocionais normais.” Estima-se que, em todo o mundo, existam 47.5 milhões de pessoas com demência, número que pode quase triplicar em 2050 e chegar aos 135.5 milhões.

A avaliação nutricional completa deve ser realizada o mais breve possível. Abaixo, falamos sobre os 3 tipos de avaliações que a nutricionista costuma fazer com seus pacientes:

  • Avaliação Bioquímica

Avaliação dos exames realizados nos últimos 6 meses, como: hemograma, lipidograma, proteínas totais e frações, vitamina D, vitamina B12, ácido fólico, ferro, ferritina, ureia, creatinina, sódio, potássio e cálcio.

  • Avaliação dietética

Pergunta ao paciente e/ou cuidador sobre o horário e número das refeições, quantidade de alimentos, consistência e tipos de líquidos, e se já consome algum tipo de suplemento.

  • Avaliação clínica e antropométrica

Mede: peso, altura, IMC, percentual de massa magra e gordura, circunferência da panturrilha, do braço e abdômen. Avalia o aspecto da pele, se apresenta alguma lesão ou desidratação. Além disso, em fases iniciais da doença, mede também a força de preensão palmar.

 

A partir dessa avaliação completa, a nutricionista consegue avaliar e prescrever uma dieta que melhor se enquadre na rotina e necessidades do paciente.

É importante manter acompanhamento de pelo menos 1 vez/mês para poder verificar a adaptação. Mas, caso ocorra alguma situação aguda, é necessário aumentar a frequência para 1 vez/semana até a normalização.

O IMC faz parte da avaliação nutricional. É uma informação muito importante, pois os idosos em geral já têm a tendência de sofrer com a diminuição de peso, conforme a idade avança, e a Demência pode intensificar essa mudança.

Mesmo com a quantidade calórica consumida adequada, existe a tendência de perda de peso. Essa diminuição de peso está sim relacionada com diminuição de gordura corporal, mas também de massa muscular, principalmente quando em fase avançada desenvolve sarcopenia. E também é comum apresentar a obesidade sarcopênica.

Para melhora deste quadro, em alguns casos é necessário a prescrição de suplementos específicos que auxiliem na saúde cerebral do idoso. Os nutrientes relevantes para o paciente com demência são:

Z

inco, Magnésio, Vitamina E, Vitamina C, Vitaminas do complexo B, Vitamina D e EPA/DHA, Fosfolipídeos, Colina, Ácido Cáprico e Ácido Caprílico.

A dieta via oral deve ser composta de alimentos ricos em fontes proteicas e ao consumo de carne vermelha, que pode ser de 3 a 4 vez por semana, alternando com peixes, aves, suínos, leguminosas e ovo. Leite e derivados, sementes oleaginosas, azeite de oliva e frutas do grupo das berries também são importantes. Coco e abacate devem ser estimuladas. E não esquecer também das verduras e legumes.

Por outro lado, alimentos processados — onde se encontra maior quantidade de gorduras trans e de sódio — devem ser evitados.

 

 

Fernanda Cristina

Nutricionista

CRN8 8477