Disfagia é a dificuldade de deglutir alimentos ou líquidos. E, para entender melhor como ela ocorre, é importante citar que há três fases no processo de deglutição: a fase oral, faríngea e esofágica. A primeira fase funciona de maneira voluntária; as outras duas, involuntária. Quando ocorre algum problema nessas fases, dizemos que o paciente sofre de disfagia.

disfagia pode acontecer por inúmeras razões, como: doenças neurodegenerativas, algum tipo de câncer, acalasia (distúrbio raro que dificulta a entrada de alimentos e líquidos no estômago), sarcopenia entre outras.

Considerando que o ato de deglutir envolve um processo muscular complexo, e que a sarcopenia caracteriza a perda de força e massa muscular, esta é tida como uma das causas da disfagia, especialmente entre idosos. Assim, a Sociedade Europeia para Distúrbios da Deglutição considera a disfagia como uma síndrome geriátrica.  Ela acomete cerca de:

  • 60% dos idosos institucionalizados;
  • Até 64% dos pacientes idosos após AVC;
  • mais de 80% daqueles com demência.

As principais complicações da disfagia envolvem o impacto no estado nutricional, o qual é causado pela redução do consumo de alimentos líquidos e sólidos. Essa redução acontece como uma forma de evitar o desconforto ao se alimentar. Além disso, alimentos líquidos e sólidos podem ser facilmente aspirados, ocasionando pneumonias por broncoaspiração. Como resultado da alimentação inadequada, há a desnutrição e a desidratação, as quais pioram o quadro clínico e geram um ciclo constante.

Devido à contraindicação em ingerir líquidos, dificuldade em consumir alimentos e redução do consumo alimentar, a pessoa com disfagia pode sofrer com desidratação e desnutrição. Para que essas complicações não apareçam, existem medidas para evitar estes desfechos. Entre elas, está a modificação da textura dos alimentos e bebidas, que permite maior segurança e conforto ao deglutir os alimentos. A consistência deve ser definida após a avaliação do fonoaudiólogo, que verificará qual textura será ideal para o paciente.

espessante alimentar é uma estratégia para a disfagia, tanto para espessar líquidos, como para ajustar a consistência de preparações mais complexas. Ele pode ser utilizado em receitas que estimulem o paciente a aumentar o consumo alimentar e hídrico.

“As características sensoriais dos alimentos (aparência, variedade de sabor, cor, aroma, textura), desempenham papel importante junto às preferências do idoso.”

 

Fernanda Cristina

Nutricionista

CRN8 8477