O paladar é um dos cinco sentidos do nosso corpo e é através dele que percebemos o sabor e o gosto dos alimentos. Doce, salgado, ácido, amargo, é a capacidade de sentir esses sabores que nos faz ter prazer durante as refeições. Você desejaria comer uma fatia de bolo se não sentisse o sabor doce, por exemplo?

A redução da sensibilidade gustativa se acentua em idosos com Alzheimer, o que é preocupante. De acordo com um estudo realizado em 120 idosos, revela que a doença de Alzheimer está diretamente associada ao prejuízo da sensibilidade gustativa. A identificação do sabor salgado ficou prejudicada desde o estágio inicial da doença. E, com avanço, verificou-se que essas pessoas também sentem menos os gostos doce e amargo. De acordo com o estudo, 26% dos pacientes com Alzheimer têm dificuldade para sentir o sabor dos alimentos. O fato preocupa pois essa perda de sensibilidade pode aumentar os riscos de desnutrição entre os idosos, uma vez que eles perdem a vontade de comer, agravando indiretamente sua saúde. A  perda de sensibilidade do paladar pode causar também outros problemas aos idosos com a doença: “O não reconhecimento do gosto amargo pode aumentar o risco de envenenamento, por exemplo, porque o idoso doente pode consumir alimentos estragados e não perceber”.

A pesquisa oferece informações importantes para tornar as refeições desses pacientes mais agradáveis e atrativas.  É preciso ter cautela com orientações nutricionais restritivas e desta forma, evitar possíveis complicações associadas à subnutrição. O mais importante é permitir identificar o momento certo para uma intervenção nutricional precoce, prevenindo a desnutrição nestes idosos.

 

 

 

Fernanda Cristina

Nutricionista

CRN8 8477